Terça, Novembro 21, 2017
   
Texto
Login

Busca

SAÚDE: Vacinação contra gripe precisa atingir grupos prioritários

Imprimir

A 19ª Campanha Nacional de Vacinação contra Influenza começa, na próxima segunda-feira (17). Por determinação do Ministério da Saúde, no período da campanha deve procurar um posto de vacinação para o recebimento da dose gratuita quem faz parte do grupo prioritário. A vacina é uma das medidas mais efetivas para prevenção da forma grave de gripe e das complicações que podem surgir pela doença.

“Numa população imunizada, o número de internações por pneumonia, por exemplo, pode diminuir entre 32% e 45%. Além disso, cerca de 50% das doenças relacionadas à influenza diminuem com a vacinação”, detalhou a coordenadora do Programa Estadual de Imunizações, Danielle Grillo.

A vacinação contra influenza ocorrerá ao mesmo tempo para todos os grupos, ou seja, não haverá divisão de grupos prioritários por semana para realização da vacinação. Neste ano, as populações alvo são crianças de 06 meses até menores 5 anos (4 anos, 11 meses e 29 dias); trabalhadores de saúde; pessoas com doenças crônicas, como diabetes tipos I e II em uso de medicamento e hipertensão sistêmica com presença de outras doenças; indígenas; pessoas com 60 anos de idade ou mais; professores; população privada de liberdade; adolescentes e jovens sob medida socioeducativa; funcionários do sistema prisional; gestantes; e puérperas (mulheres com até 45 dias após o parto).

Os professores passaram a integrar o grupo prioritário de vacinação contra influenza este ano. Serão vacinados aqueles que atuam em sala de aula, sendo nas escolas públicas e particulares dos ensinos infantil (incluindo os berçaristas), fundamental, médio e superior. Não estão incluídos no grupo os aposentados ou licenciados, nem outros profissionais da comunidade escolar.

Por que vacinar? - Entre a população alvo da campanha de vacinação contra influenza existe um grupo de alto risco, composto por crianças menores de 5 anos de idade, adultos com 60 anos ou mais, gestantes, portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas. A coordenadora do Programa Estadual de Imunizações ressalta que para esse público a vacinação é ainda mais importante, pois a infecção por influenza pode causar complicações graves e levar a óbito.

Segundo Danielle Grillo, estudos mostram que, em populações não vacinadas contra influenza, a maioria das mortes ocorre entre os idosos. Já em adultos, a maioria das complicações e mortes é registrada em pessoas que possuem diferentes doenças, mas com doenças de base, como o diabetes, por exemplo. A coordenadora fornece ainda outros dados relevantes para se compreender a importância da vacinação do grupo prioritário. Ela diz que em crianças, de acordo com estudos, a maior parte das hospitalizações e quase metade das mortes ocorrem com os pequenos previamente saudáveis, particularmente no grupo de 02 anos de idade.

As gestantes também precisam buscar a proteção, principalmente aquelas que ainda estão no início da gravidez ou na fase do puerpério. “As gestantes estão mais vulneráveis em todo o período da gravidez, mas o risco de complicações é ainda mais alto no terceiro trimestre de gestação e no primeiro mês após o parto”, detalhou Danielle Grillo.

Em alguns casos, a gripe pode evoluir para um quadro de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), em que o paciente apresenta sintomas gripais associados a uma forte dificuldade de respirar. Os sintomas da gripe são agudos, ou seja, surgem de repente. A pessoa começa a se sentir mal, logo vem a dor de garganta, muita dor no corpo, febre alta prolongada e tosse. Muitos sintomas são semelhantes ao do resfriado, que também dá tosse, coriza, apesar de a pessoa não ficar tão prostrada e às vezes nem ter febre. Para não haver dúvida nem correr risco, é importante buscar atendimento médico mesmo se os sintomas forem mais brandos. O médico é quem deve fazer o diagnóstico e determinar o tratamento.

Doses: - Do total de 1.065.500 doses da vacina contra influenza que serão enviadas pelo Ministério da Saúde, o Espírito Santo já recebeu 379 mil, o que representa 36% do quantitativo total. A primeira remessa de vacinas, com 240 mil doses, já foi toda distribuída para os municípios; já a segunda remessa, com 139 mil doses, chegou ao Estado nessa terça-feira (11) e estará disponível para os municípios a partir de segunda (17).

A campanha de vacinação contra a gripe começa no dia 17 de abril e vai até 26 de maio, com realização do dia D no dia 13 de maio. A coordenadora do Programa Estadual de Imunizações, Danielle Grillo, diz que a meta é vacinar, pelo menos, 90% do grupo prioritário.

População a ser vacinada contra influenza no Espírito Santo em 2017

Público-alvo

População

Deverá apresentar

Crianças de 6 meses a menores de 5 anos

233.263

Caderneta de vacinação ou um documento de identidade da criança (em caso de perda da caderneta).

Trabalhadores de saúde

96.106

Crachá ou declaração emitida pelo serviço de saúde ou contracheque junto com um documento de identidade.

Gestantes

42.420

Cartão da gestante ou exames junto com um documento de identidade.

Puéperas (mulheres com até 45 dias após o parto)

6.973

Documento que comprove a gestação (certidão de nascimento da criança ou cartão da gestante ou documento do hospital onde ocorreu o parto, entre outros) junto com um documento de identidade.

Indígenas

3.771

Pessoas com 60 anos de idade ou mais

370.769

Documento de identidade.

Pessoas com doenças associadas (comorbidades)

143.237

Prescrição médica da rede pública ou privada especificando o motivo da vacina junto com um documento de identidade. Pacientes já cadastrados em programas de controle das doenças crônicas do SUS devem se dirigir aos postos que estão cadastrados para receberem a vacina.

Professores

46.941

Declaração emitida pela escola pública ou privada junto com um documento de identidade.

População privada de liberdade e adolescentes e jovens sob medida socioeducativa

20.298

A vacinação será realizada nas unidades prisionais.

Funcionários do sistema prisional

4.837

Poderão se vacinar na unidade onde trabalham ou numa unidade de saúde, mediante apresentação de declaração emitida pela unidade prisional onde trabalha.

Total

968.615

Observação: Em todos os casos, quem tiver o cartão de vacina é muito importante levá-lo junto com os documentos de comprovação, pois é no cartão onde está registrado todo o histórico de vacinação do indivíduo.

Login Form